As origens misteriosas do VRILL.

Um dos grupos de ocultismo mais sinistros da história foi criado depois da primeira guerra mundial com o propósito de vingar a derrota e humilhação alemã. Suas origens místicas parecem ter saído de um aglomerado de informações advindas de fontes literárias e fictícias do final do século 18.

Circulo vrill

Esta Sociedade secreta alemã foi a mais misteriosa e poderosa do período que foi do final da primeira guerra mundial até o fim da segunda, e ainda é influente até hoje. Homens da cúpula nazista faziam parte de sua mais alta composição. Seu objetivo: alcançar e reviver a raça ariana.

Dentro dessa sociedade, seus membros cometiam assassinatos, evocavam espíritos, realizavam orgias sexuais, e até mesmo sacrifícios humanos. Seus membros tinham uma obsessão pela energia Vrill, uma força universal que segundo os membros dessa sociedade, podia levar a poderes como a cura, evocar doenças e praticar a telecinese.

Para garantir que conseguissem acesso a essa energia, precisavam de grandes esforços e muita prática da meditação. Orgia e magia sexual eram usadas com muita frequência, pois para eles isso permitia “colher” o Vrill. Era a primeira grande sociedade secreta a aceitar mulheres como membros efetivos, pois, eram vistas como seres divinos e sua energia feminina era necessária para o Vrill.

Fontes documentais e pessoais confirmam que utilizavam sacrifícios de crianças em seus rituais. Era uma crença de milhares de anos que apontava que os sacrifícios de crianças eram mais “proveitosos”, porque elas conteriam – segundo essa lenda local – um poder mais concentrado e poderoso, pois eram portais entre o mundo astral e físico.

Nessa época muitas crianças estavam órfãs na Alemanha do pós-guerra e seus desaparecimentos não eram notados.

The Power of the Coming Race

[http://en.wikipedia.org/wiki/Vril]

O conceito do Vrill vem do livro [The coming race, 1871], do autor Edward Bulwer-Lytton. No livro, uma raça chamada Vril-ya, vivia debaixo da terra em um mundo subterrâneo, paralelo ao nosso e que faziam quase qualquer coisa com tal energia. Essa obra de ficção se tornou um fenômeno na época e foi creditada como real e um fato verídico. No livro, os seres que utilizam e controlam o Vrill, podiam usá-la para curar e matar. Uma criança Vril-ya poderia usar a energia para destruir uma cidade inteira. O final do livro apresenta um alerta: os guardiões do Vrill poderiam acabar e dominar o mundo muito facilmente a qualquer momento. Daí a obsessão nazista para conseguir controlar essa energia.

Criança Vril-ya

A fundação da sociedade

Começou em 1918 na Bavária, em um hotel nas montanhas, onde vários praticantes de magias ocultas, artistas e políticos poderosos, se organizaram para criar uma associação oculta do Vrill. Seus membros fundadores eram criadores de outra sociedade, a Thule. Um de seus fundadores acreditava que pavimentava o caminho para um novo messias (Hitler). Esse falso profeta se autodenominava João Batista e era um dos fundadores do partido nazista. Médiuns dessa sociedade “teriam profetizado” a vinda de Hitler.

Em dois anos toda cúpula do nazismo estava nessa sociedade: Hermann Göring, Martin Bormann, Heinrich Himmler, Rudolf Hess, e Hittler.

Helena Blavatsky

[http://pt.wikipedia.org/wiki/Helena_Blavatsky]

Fundou a sociedade teosófica e se transformou em uma referencia ocultista. Viajou o mundo todo e escreveu a “Doutrina Secreta”, a obra que deu origem e reconhecimento a Teosofia.  Suas bases filosóficas são constituídas com conhecimentos indianos e tibetanos. O livro combina a ciência com religião, em um sincretismo de filosofias totalmente diferentes que impressionaram os mais ávidos leitores da época. No livro ela cita uma raça Raiz Ariana, que teriam sido ancestrais da raça Atlântida. Seus ensinamentos eram famosos na Alemanha, mais que em qualquer outra parte do mundo.

Para muitos estudiosos esses princípios teosóficos eram fontes das ideologias nazistas que alimentavam a propaganda do partido. A raça ariana era uma ambição e um projeto para o engrandecimento e imortalização da sociedade alemã, segundo Hitler.

Energia para evolução

Precisavam de fontes de energias extensas, pois não possuíam fontes petrolíferas e por isso tinham uma necessidade de manipulação do Vrill para suprir toda a demanda e necessidade energética alemã.

Hitler criou uma organização para procurar as fontes para essa energia. Com financiamento público foram até o Tibete e fizeram inúmeros testes em moradores do local e escavações, esperando acumular informações biológicas e arqueológicas para encontrar fatos que os ligassem aos lendários atlantes.

A suástica

Segundo os ocultistas da sociedade Vrill, uma energia que vinha do símbolo da suástica, que tem origem em muitos povos ao redor do mundo, era vista importante para adquirir a energia Vrill. Era também um símbolo nórdico de Thor. Uma das maiores curiosidades da suástica nazista foi a modificação da sua rotação para o sentido Anti-Horário, uma alusão ao “caminho da mão esquerda”, pois em vários panteões mitológicos, os deuses bons estão a direita, os maus, a esquerda.

Torre Norte

[http://pt.wikipedia.org/wiki/Wewelsburg]

Himmler era o membro mais ativo, cruel e lunático da sociedade, e tentava encontrar inúmeras formas de vencer a guerra. Com a intenção de encontrar uma forma eficiente de evocar e controlar a energia Vrill, ele comprou e reformou um castelo da idade média (Wewelsburg), e fez dele o templo de iniciação da energia Vrill. Todo o castelo tem um tom sombrio e assustador, mas um cômodo teve uma importância maior, a torre norte.

Era dividida em duas partes: a de cima abrigava uma roda solar negra, símbolo da sociedade do Vrill. Só os maiores oficiais da SS tinham acesso ao castelo e conta-se que muitos rituais e missas negras eram realizadas nessa torre.

A outra parte mais oculta da torre era a cripta, um local totalmente sombrio, com pouca iluminação e com uma perfeita acústica. Há também pedestais perto das paredes para os mais importantes comandantes da SS e um espaço no centro para Himmler.

Roda Solar-Negra, com um design feito por um arranjo de suásticas.

Anúncios

Projeto Lebensborn

Características nazista de alemão ideal.

Características nazista de alemão ideal.

Heinrich Himmler, comandande da SS criou um programa altamente secreto e terrível durante o período nazista alemão. Esse projeto a que foi chamado de Lebensborn ( Projeto Primavera ) tinha como objetivo a germanização de crianças raptadas pelo exército vindas de outros países e o aumento da taxa de natalidade dentro da Alemanha. Tais crianças deveriam possuir “características arianas” como cabelos loiros e olhos azuis, e uma vez que raptadas em outros países eram levadas à Alemanha para serem confinadas em orfanatos, onde deveriam receber educação alemã e que aos poucos seriam forçadas a esquecer seus pais e seus lares de onde tinham sido retiradas, para que no fim de sua germanização fossem adotadas por famílias alemães. Muitas crianças não aceitavam tais ensinamentos e não esqueciam suas origens e por isso eram enviadas aos campos de concentração nazistas onde seriam mais tarde executadas nas câmaras de gás.

Acredita-se que ao menos 250 mil crianças tenham sido raptadas dos países ocupados pelos nazistas no leste europeu durante a guerra, e que somente 25 mil delas tenham retornado para seus lares verdadeiros depois da guerra. A grande maioria acabou sendo exterminada nos campos de concentração e os que tinham sido adotados por alemães acabaram não retornando ao seu lar por vontade propria pois tinham sido alvos da propaganda nazista.

Outra prática do projeto foi o estímulo da taxa de natalidade dentro do Terceiro Reich, pois Himmler criou casas e retiros onde mulheres jovens e “arianas” eram estimuladas a manter relações sexuais com oficiais da SS para fins reprodutivos, e seu principal objetivo com seu plano era o aumento quantitativo do exército alemão resultante de um crescimento populacional. Ao nascer essas crianças não teriam presença dos pais e seriam criados pela SS para ter uma educação nazista e com uma idade média seriam adotados por pais alemães. Poucas crianças até hoje resultante desse programa conheceram seus pais biológicos e observa-se que um número grande dessas pessoas hoje apresentam autismo causado por não terem recebido afeto e cuidados dos pais durante seu crescimento e sim ensinamentos rígidos e violentos da SS.

Soldado nazista retirando uma criança de sua família

Soldado nazista retirando uma criança de sua família

VRILL, HIMMLER E A SOCIEDADE THULE.

Ainda hoje e talvez por muito tempo ainda, muitos se perguntarão sobre os verdadeiros motivos que levaram os nazistas de Hitler a cometer tamanhas atrocidades antes e durante a segunda grande guerra. Alguns fatos que levaram a ascenção e até mesmo a decadência nazista foi a prática de paganismo entre seus principais membros.

Símbolo da Sociedade Thule

Muitos conhecem que a limpeza étnica judaica conhecida como Solução Final, era a idéia quase que primária de Hitler, mas poucos conhecem o fato do culto de uma seita interna da alta corte do partido ( Hitler, Himmler, Göring, Goebbles e Rudolf Hess ). Essa seita misteriosa conhecida como sociedade THULE, estimulava a prática e costumes nórdicos.
O principal ensinamento desta seita era a prática de uma magia chamada VRILL, que emanecia dos astros celestes que serviam de moradia aos lendários deuses nórdicos. Segundo as lendas nórdicas esta força poderia ser manipulada por homens e que seus primeiros detentores teriam sido os homens arianos que se estabeleceram na região do himalaia a milhares de anos, e que teriam sido os principais descendentes dos deuses, sendo assim, semi-deuses.
Estas idéias foram cultivadas principalmente por Heinrich Himmler ( Comandante Supremo das SS ) e que diziam ser o membro mais fiel a essa doutrina.
Himmler segundo consta arquivos e testemunhas, mandou construir um palácio para todos os altos membros da SS, e que foi erguida com mão-de-obra escrava de judeus, ciganos e outras etnias hostilizadas pelo nazismo. A principal e mais demorada parte do palácio SS que deveria em breve se tornar uma escola militar, era uma sala oval construída exclusivamente para a prática do vrill e onde estavam 12 assentos, uma para cada general ou marechal da SS além do próprio Himmler. Há quem diga que esta seria uma alusão a história do rei Artur e a Távola Redonda.

No centro da sala, que detinha uma estrutura acústica, havia um buraco onde Himmler e seus líderes SS cometiam sacrifícios animais e até mesmo humanos durante sessões da seita. Outras experiências eram praticadas como submeter prisioneiros a um frio extremo até atingir o ponto de hipotermia corporal e que depois tentavam devolver a temperatura normal do corpo colocando prostitutas nuas em cima dos prissioneiros.  Alguns sobreviventes dizem que um fogo inigmático emanava do circulo central da sala, que repressentaria para os maçons a energia VRILL.

Estes rituais faziam parte de toda a cúpula nazista e que seriam mais tarde na eventual vitória alemã na guerra, introduzida nos costumes e vida germânica para que assim o plano de conquista mundial ariana fosse bem executada.

Para mais informações sobre a origem do VRILL: